Campanha mediática contra Cuba?

Ir em baixo

Campanha mediática contra Cuba?

Mensagem  Admin em Seg Abr 26, 2010 5:19 pm

Este tópico serve para debater a verdade por detrás da campanha medática contra Cuba.

Admin
Admin

Mensagens : 16
Data de inscrição : 26/04/2010

Ver perfil do usuário http://cubapt.directorioforuns.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Declaração da Associação de Amizade Portugal-Cuba

Mensagem  Admin em Ter Abr 27, 2010 2:58 am

OS ESTADOS UNIDOS PROTEGEM TERRORISTA



A recente libertação pelas autoridades judiciais norte-americanas de Posada Carriles – confesso autor do atentado perpetrado contra um avião da companhia aérea civil cubana que matou 73 cidadãos – vem demonstrar como os Estados Unidos continuam a proteger notórios terroristas.

Os EUA, desta forma, desmentem a sua tão propalada política de combate ao terrorismo onde quer que ele se encontre, o que não causa qualquer surpresa, uma vez que apoia sempre actos terroristas organizados contra políticos de países estrangeiros com os quais não concorda, bem como nunca deixa de apoiar o verdadeiro terrorismo de Estado desencadeado por sucessivos governos de Israel sobre o sacrificado Povo Palestino.

Posada Carriles é claramente protegido pelo governo norte-americano que não entrega aquele assassino à Venezuela, para ser sujeito a julgamento. A justiça venezuelana, que também o considera como principal responsável pelo atentado contra o referido avião em 1976, prendeu-o devido à sua ampla acção criminal desenvolvida na Venezuela. No entanto, conseguiu fugir do cárcere antes de ser levado a tribunal. Esta sinistra personagem passou a trabalhar, a partir de 1982, para a CIA organização que tantas vezes tentou assassinar o Presidente Fidel Castro.

Sabemos que Carriles tem um longo cadastro criminal: participou em 1962 na invasão da Baía dos Porcos e, já ao serviço da CIA, interveio na operação Irão-Contra e na implementação do genocida Plano Condor para esmagar as oposições democráticas de certos países latino-americanos como aconteceu no Chile. Em 1997 preparou acções terroristas contra hotéis de Havana – num deles perdeu a vida o turista italiano Fábio di Celmo – e, em 2000, dirigiu mais um projecto para assassinar Fidel Castro, desta vez na Universidade do Panamá. As autoridades panamenses, que o tinham detido, submissas aos ditames dos EUA, ordenaram a sua libertação.

Em Março de 2005, Posada Carriles entrou ilegalmente nos EUA onde foi bem acolhido. Só depois do clamor internacional de protesto contra a impunidade de que tal terrorista beneficiava foi detido sob a acusação de ter entrado ilegalmente nos EUA e de falsas declarações às autoridades migratórias.

Não foi acusado de assassinato, de autor de múltiplos atentados, enfim, de crimes cometidos por um verdadeiro terrorista internacionalmente reconhecido. Isso não convinha ao governo de Bush. Apenas foi acusado de ter prestado falsas declarações por um delito menor.

Comprova-se agora, que tudo foi afinal, um plano engendrado pela Administração Bush para acoitar um cúmplice terrorista numa tentativa de lançar uma cortina de fumo sobre o passado deste terrorista.

Agora posto em liberdade, Posada Carriles, que é considerado um especialista no manuseamento de explosivos, pode continuar a preparar novos atentados. Os EUA evidenciam, assim, a sua política de dois pesos e duas medidas. Para atacarem o terrorismo, como afirmam, bombardeiam Nações soberanas e independentes, matando milhares de civis, sequestram pessoas em territórios estrangeiros, torturam-nos em cadeias secretas localizadas em países amigos e mantêm uma prisão em Guantanamo, região cubana ocupada por forças militares norte-americanas, onde o desrespeito pelos mais elementares direitos cívicos e humanos é de tal ordem que até a Amnistia Internacional exige o seu encerramento.

É lamentável e incompreensível que não tenha sido aplicada a Carriles a legislação norte-americana que estabelece medidas a quem ameaça a segurança interna dos EUA ou de qualquer comunidade.

A atitude do governo dos EUA em relação a Posada Carriles é inadmissível o que levou a que tivesse sido elaborado um abaixo-assinado de protesto subscrito por personalidades de relevo internacional como detentores do Prémio Nobel da Paz.

A Associação de Amizade Portugal-Cuba exige que o terrorista Posada Carriles, seja preso pelos crimes cometidos e extraditado para a Venezuela a fim de ser julgado.

A Associação de Amizade Portugal-Cuba insurge-se contra a política desenvolvida pelos EUA sobre Cuba, contra a manutenção do ilegal bloqueio económico e contra a prisão de cinco patriotas cubanos os quais, com conhecimento das autoridades locais, actuavam no sentido de impedir actos terroristas em preparação na região de Miami para serem executados em Cuba.

A Associação de Amizade Portugal-Cuba não deixará que seja esquecido que o governo dos EUA é cúmplice e protector de um terrorista.

Esta atitude do governo dos EUA é uma vergonha para o povo norte-americano.

Lisboa, 15 de Maio de 2007



A Direcção da Associação de Amizade Portugal-Cuba

Admin
Admin

Mensagens : 16
Data de inscrição : 26/04/2010

Ver perfil do usuário http://cubapt.directorioforuns.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Texto irónico publicado no blog "Ódio de Classe"

Mensagem  Admin em Ter Abr 27, 2010 3:07 am

Cuba e os Direitos Humanos

Depois de 50 anos de revolução e no que respeita aos Direitos Humanos, Cuba continua a não seguir os exemplos das democracias que a rodeiam e censuram, a começar pela democracia norte-americana.

Koldo Campos Sagaseta* - 05.03.10

Ao contrário de outras democracias americanas em que são comuns e constantes os motins, as mortes em massa em lutas Internas, os suicídios de presos, as mortes de detidos por falta de cuidados médicos, por desnutrição, por tortura, em Cuba há que recuar mais de 50 anos para encontrar um antecedente como o de Orlando Zapata.

E o subdesenvolvimento que Cuba apresenta em matéria penitenciária, igualmente demonstra o seu infeliz atraso no que respeita a Direitos Humanos.

É inconcebível que depois de 50 anos de revolução o governo desse país não tenha podido ver e tomar como exemplo as democracias que o rodeiam e outras da Europa que o censuram para que adopte as políticas humanitárias que lhe propõem.

Não obstante a férrea repressão, em meio século de revolução, Cuba não foi capaz de protagonizar uma só matança popular que a destaque. Ainda não conseguiu emular matanças como a de Tathelolco, no México, onde o exército mexicano despachou um milhar um milhar de estudantes, ou a de Chiapas, onde umas dezenas de ignorantes indígenas foram submetidas a mórbida obediência.

Tampouco soube levar a efeito matanças civis como as protagonizadas por polícias brasileiros na favela carioca do Vigário Geral onde foram exterminados 21 povoadores em 1993 e a 400 garimpeiros na selva amazónica em 1987. Nem sequer conseguiu fazer uma matança discreta de estudantes como a executada por soldados estadunidenses no Canal do Panamá na repressão de insensatas reclamações de soberania para a zona, que foi apenas um ensaio para o eficaz bombardeamento do bairro Los Chorritos em que morreram 3 mil panamianos quando, anos mais tarde, invadiram aquele país, ou protagonizar matanças populares como as de Abril de 1984 na República Dominicana, com centenas de mortes pela cidadania às mãos do benemérito exército local em apenas alguns dias de trabalho, ou os vários «caracazos» e «bogotazos» que a história americana regista.

Cinquenta anos de revolução e Cuba ainda não conseguiu reeditar um «Cerro Maravilhas» portoriquenho, ou pôr em funcionamento modelares campos de concentração como o que têm os estadunidenses em Guantânamo, ou em outras dos seus cárceres clandestinos espalhados pelo mundo.

Cuba continua sem saber implementar como costumam na democrática Colômbia o seu exército e os seus paramilitares, o que vem a ser o mesmo, fossas comuns para enterrar milhares de camponeses, e sepultar com cal viva ou fazer desaparecer dissidentes, ao bom estilo da democracia espanhola [1].

Também Cuba não dispõe da eficácia interrogadora dos estadunidenses bem evidenciada no Iraque ou no Afeganistão, além de carecer dos modernos métodos de interrogatório como os conhecidos por «a bolsa», o aguilhão, as sovas à vontade, as violações, e outras práticas policiais que, em qualquer caso, os juízes trataram de negar e os meios de comunicação ignoraram, dado que a denúncia da tortura, como é sabido, só corresponde a uma estratégia dissidente.

Para corrigir tão histórico atraso e sempre com o pensamento em democratizar a sua sociedade, Cuba deve proceder imediatamente: à neutralização, como na Guatemala, de quatro freiras e um bispo por cada período de tempo determinado ou incendiar uma ou outra embaixada que dê asilo a dissidentes; copiando os exemplos salvadorenhos, de vez em quando deve repreender em plena eucaristia um cardeal [1] e para aí uns cinco jesuítas; a reformar milhares de sindicalistas como na Colômbia, que converteu essa actividade na principal causa de morte entre os trabalhadores; a retirar da circulação os opositores mais recalcitrantes, com a discrição e a impunidade com que o faz, por exemplo, o actual governo hondurenho; a disparar contra jornalistas com a precisão e o alcance dos marines norte-americanos em todas as partes do mundo, ou a reprimir nas ruas com a devida contundência qualquer manifestação popular, tal como vemos e apreciamos nas irrepreensíveis democracias americanas e europeias.

Cuba também deve neutralizar estudantes pérfidos e professores cúmplices como na democracia peruana e eliminar perigosos comunicadores como o fez a democracia argentina com as pessoas de Bonino e Cabezas, o gioverno peruano nos Andes de esse país, o Estado mexicano e o colombiano a todo o pé de passada, o como ocorreu na República Dominicana com Orlando Martinez, Goyito e Narcisazo.

Cuba deve aprender a rebentar os opositores ao regime, como fez a democrática polícia de Pinochet e a própria CIA nos ilustrou com o assassínio de Letelier [3] e da sua secretária a um par de quarteirões da Casa Branca. Cuba deve aprender a fazer desaparecer não só as queixas dos inconformados dissidentes mas também os próprios dissidentes, tendo em consideração as sábias experiências das democracias militares da Argentina, do Chile e do Uruguai e as suas operações Condor, que no mar nunca vão descobrir-se inconvenientes fossas comuns; a seguir deve proceder a fortes matanças de negros, como na democracia estadunidense nos anos sessenta ou, mais recentemente, em Los Angeles depois das desordens ocorridas a seguir ao democrático espancamento de um suposto cidadão negro.

E para melhor iniciar estas reformas, Cuba deve mandar pelos ares um ou outro avião de passageiros, tal e como fizeram milicianos anticastristas e agentes da CIA, como Posada Carriles e Orlando Bosch [4].

Cuba ainda nem sequer foi capaz, apesar do tempo decorrido, de aprender a cometer erros como o que recentemente a CIA reconheceu ao mandar derrubar um avião carregado de missionários estadunidenses a quem confundiram com narcotraficantes, ou como os tantos e tão sangrentos erros que nas suas guerras humanitárias desencadeiam as forças da paz da NATO e os Estados Unidos nos países que ocupam.

E estes não são as únicas mudanças que Cuba deve enfrentar.

Em matéria de educação deve proceder imediatamente a uma massiva campanha de animalização que devolva o povo cubano à feliz ignorância em que vivia antes da revolução; deve erradicar das escolas costumes tão obscenos e perniciosos como a do fornecimento do pequeno-almoço escolar, substituindo o leite e o pão por cimento e gasolina; deve estimular nos seus estudantes condutas cívicas e democráticas como as que se dão nos Estados Unidos para que os alunos da pré-primária e primária protagonizem matanças escolares dignas de encómio. Tal atraso poderia contrariar-se submetendo os estudantes cubanos a permanentes sessões de cinema e televisão genuinamente «americanas» que substituam os caducos e tresloucados princípios da educação cubana pelos competitivos e cristãos valores estadunidenses.

Cuba também deve estabelecer um encerramento massivo de escolas e institutos para que a sua infância possa deambular nua e descalça pelas ruas do país, apanhando garrafas e dedicando-se a outras actividades sãs e mercantis que a ajudem a compreender as características da sociedade a que Cuba tem necessidade de assemelhar-se.

Ocasionalmente, como ocorre noutras democracias latino-americanas a que Cuba deve abrir-se, tal e como pediu sua santidade João Paulo II, procedendo a uma ordenada e meticulosa neutralização dos excedentes infantis nas ruas do país, para o que polícia cubana deveria procurar ser assessorada por peritos comandantes das polícias da Colômbia, Guatemala e Brasil.

Em relação à saúde, Cuba deve suprimir o seu ineficaz sistema de hospitais públicos e laboratórios, criando modernos consultórios de curandeiros. Nos centros médicos que não possam ser reconvertidos deverá ser imposto o pagamento obrigatório, como garantia prévia ao internamento do doente, incluindo aqui as urgências. Os que não estejam em condições de suportar os custos poderão sempre ser democraticamente mandados para a rua. Nas maternidades, como acontece em democracias vizinhas de Cuba, cada cama deve ser ocupada por duas ou três parturientes para que possam partilhar tão bela experiência, ajudar-se na contagem das dilatações e juntas fazerem força. A injusta distribuição dos rebentos será substituída pela permuta de bebés e os sequestros de recém-nascidos, à semelhança do que acontece nos países vizinhos. Imediatamente, Cuba deve igualmente proceder ao encerramento do Hospital Pediátrico de Tarará, a 20 quilómetros de Havana, onde o Estado cubano tem vindo a tratar grátis, até hoje, 25.000 meninos e meninas de Chernobyl e outros países do terceiro mundo, para, então, pode dedicar esse despautério aos investimentos em Bolsa. Pela mesma razão deve ser encerrada a Universidade Internacional de Medicina, onde milhares de estudantes latino-americanos sem recursos estudam para essa carreira e dedicar esses bens e terrenos á construção de campos de golfe.

No que respeita ao desporto, Cuba deve proibir, definitivamente, costumes tão insensatos como correr, saltar e outras impudicas semelhantes, bem como fechar estádios e campos de desporto para inaugurar em seu lugar casinos, hipódromos e galleras [5], bancas de apostas e lotarias, rifas diplomáticas e outras lúdicas recreações.

No campo cultural Cuba deve fechar todas as absurdas escolas de cinema, de teatro, de dança e de outras denegridas actividades para a condição humana, fomentando em seu lugar «música pimba» tão do agrado dos turistas como «el perrito», «el pollito» e «el maco-penpén». Também deverão promover espectáculos como os «t-shirt molhada» e toda a espécie de nus, naturalmente artísticos.

Na habitação Cuba deve esmerar-se na construção de modernos condomínios ao estilo das democracias próximas e que em sua honra se chamarão o Pântano, o Buraco de Chulín, Vietname, Camboja, os Cartões e a Cucaracha, todos dotados das correspondentes águas negras e aromáticas pestilências

Quanto ao trabalho Cuba deve diversificar as suas políticas de emprego para melhor encarar a presente crise com novos ofícios e profissões como: limpa-vidros, mergulhadores, do que houver [chiripero], vendedores de lotaria, vendedores de cachorros quentes e outros ofícios idênticos.

Do mesmo modo, os anacrónicos monumentos a Che, a Máximo Gomes, ou a Marti devem ser substituídos por monumentais faróis em homenagem ao nobre corsário Drake, e estátuas de empresários como Al Capone ou de santidades como Escrivá de Balaguer.

É uma lástima que Cuba, não obstante o clamor dos meios de comunicação do mundo livre para que se converta numa outra democracia como as descritas, se empenhe em continuar a ser diferente.

Notas do Tradutor:
[1] O autor refere-se aos GAL, um autêntico esquadrão da morte, criado em Espanha no tempo do governo do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) liderado por Filipe Gonzalez.
[2] Cardeal Romero que foi assassinado em plena missa, há cerca de 30 anos, sem que o Vaticano tenha feito os protestos adequados à gravidade do acto.
[3] Orlando Letelier foi ministro dos Negócios Estrangeiros do governo de Salvador Allende
[4] Dois terroristas confessos responsáveis por muitas mortes, vivem livremente nos EUA com acesso a verbas governamentais, que lhes garantiu e aumenta as grandes fortunas que possuem. Vários países da América Latina pedem a sua extradição para serem julgados por crimes de morte praticados nesses países, mas os EUA protegem-nos e não os extraditam.
[5] Locais apropriados para luta de galos

* Escritor e jornalista basco

Publicado por Odio de Clase: http://odiodeclase.blogspot.com/2010/03/las-carencias-de-cuba-en-derechos.html

Tradução de José Paulo Gascão

Admin
Admin

Mensagens : 16
Data de inscrição : 26/04/2010

Ver perfil do usuário http://cubapt.directorioforuns.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Cuba - a

Mensagem  Admin em Qui Abr 29, 2010 1:18 am

Cuba - a "greve de fome" de Guillermo Fariña Hernández

Importantes veículos de comunicação ocidentais voltam a chamar a atenção com uma mentira pré-fabricada. Assim, respondem aos interesses imperialistas contra nosso país.

Enquanto em Cuba ocorre, por exemplo, a campanha de vacinação contra a poliomielite, que preserva a saúde de mais de meio milhão de crianças e, no Haiti devastado, centenas de médicos cubanos reafirmam o seu espírito humanista de luta pela vida, manchetes maliciosas se esmeiram em orquestrar uma campanha a favor do contrarrevolucioná rio Guillermo Fariñas Hernández.

Em greve de fome, em sua casa, em Santa Clara, há 13 dias, ele declarou que procura impor a liberação de mais de 20 presos contrarrevolucioná rios, sancionados com todas as garantias processuais em nossos tribunais, para atuarem a serviço de interesses estrangeiros, contra a independência e a ordem constitucional de nosso país.

A manipulação é tal que as notícias chegam a argumentar que o Governo cubano teria indicado que se deixe morrer este assalariado da Seção de Interesses dos Estados Unidos em Havana, sem apontar nenhuma palavra sobre os múltiplos esforços de muitos dos nossos profissionais da saúde para assistir esta pessoa.

Guillermo Fariñas Hernández, conhecido no ambiente dos vende-pátrias (traiçoeiros) como Coco, transita de uma posição simpática à Revolução ao comportamento anti-social.

O primeiro ato público que revelou o grande desajuste de sua personalidade, e que não teve nenhuma matiz política, ocorreu no final de 1995, quando ele agrediu fisicamente uma mulher, funcionária da instituição de saúde onde trabalhava como psicólogo, lhe causando ferimentos múltiplos no rosto e nos braços. O crime provocou uma pena de três anos de prisão sem internamento, além de uma multa de 600 pesos.

Para escapar à justiça inventou sua primeira greve de fome e logo depois passou ao limiar das atividades contrarrevolucioná rias. Com a ajuda desses pequenos grupos, divulgava seu caso, fazendo uma série de tergiversações por emissoras de rádios subversivas, além de expressar a disposição de morrer se não lhes dessem respostas às demandas que desejava.

Um segundo evento, em 2002, confirma a característica violenta deste sujeito e o desprezo evidente por sua pátria e os cidadãos que a defendem. Em plena cidade de Santa Clara, Fariñas espancou fortemente com um bastão um ancião que havia evitado um ato terrorista de um enviado especial do terrorista Luis Posada Carriles. Os danos causados no lesionado provocaram uma urgene intervenção cirúrgica para retirar-lhe o baço.

Uma vez condenado a 5 anos e 10 meses de prisão, na Causa 569 de 2002 do Tribunal Popular Provincial de Villa Clara, usou de novo seu método de fazer show: a greve de fome.

Naquela ocasião, a posição adotada por Fariñas Hernández levou a uma desidratação leve, para a qual foi indicado tratamento com soro. Interrompeu a greve e, em 4 de novembro de 2002, decidiu reiniciá-la exigindo que colocassem uma TV na sala de Enfermagem da prisão onde ela estava se recuperando.

Em 5 de dezembro de 2003, em atenção aos seus problemas de saúde, foi concedida a ele uma licença extra-penal (no artigo 31, parágrafos 3.b e 4, do Código Penal, se estabelece a faculdade de conceder a suspensão da detenção ao condenado à privação de liberdade por causas justificadas, com base no bom comportamento) , em conformidade com nossas leis e com base na concepção humanitária da nossa justiça e do sistema prisional.

Três anos depois, este agente a serviço dos Estados Unidos protagoniza um prolongado jejum para exigir a funcionários do ETECSA o acesso à Internet a partir de casa. Fariñas é um assíduo repórter da infame emissora chamada Rádio Martí e de outras estações anti-cubanas.

Sua folha de servilos é ampla também na assistência a atividades da todo tipo dfa SINA e de algumas embaixadas europeias que dirigem a subversão em Cuba, das quais recebe instruções, dinheiro e suprimentos.

Existem princípios bioéticos que obrigam o médico a respeitar a decisão de uma pessoa que decidiu iniciar uma greve de fome. Portanto, de forma nenhuma se pode forçá-lo a ingerir alimentos, como fazem cotidianamente as autoridades norte-americanas nas prisões e centros de tortura de Guantánamo, Abu Ghraib e Bagram, em violação aos direitos dos detidos.

A medicina só pode atuar quando o paciente entra em choque, fase em que, via de regra, é tarde, pois o ser humano está já no limite da sobrevivência, o que se chama ponto de não retorno. Como resultado de sucessivos episódios de greves de fome, o corpo Fariñas está em um processo de deterioração notável.

Se hoje está vivo, é preciso dizer, é graças ao atendimento médico qualificado que ele tem recebido, independentemente de sua condição de mercenário.

Nesse caso, não é a medicina que deve resolver o problema intencionalmente criado com o propósito de desacreditar nosso sistema político, mas o próprio paciente e os apátridas, diplomatas estrangeiros e veículos de imprensa que o manipulam. As consequências serão de sua inteira e única responsabilidade.

Cuba, que tem demonstrado em excesso que tem como principal divisa a vida e a dignidade humana, não vai aceitar pressões ou chantagens.

De Alberto Nuñez Betancourt

in "mostrandoaface.blogspot.com"

Admin
Admin

Mensagens : 16
Data de inscrição : 26/04/2010

Ver perfil do usuário http://cubapt.directorioforuns.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Campanha mediática contra Cuba?

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum